: Ремонт ноутбуков hp pavilion. Ремонт ноутбуков hp своими руками. Ремонт клавиатуры ноутбука hp. Сервисный центр samsung ремонт планшетов. Быстрый ремонт планшетов samsung. Ремонт планшетов samsung galaxy tab. Штукатурка стен своими руками. Качественная венецианская штукатурка своими руками. Наружная штукатурка своими руками.
Смартфон samsung galaxy отзывы. Хороший обзор смартфонов samsung galaxy. Смартфон samsung galaxy ace 2. Горнолыжные курорты италии отзывы. Лучшие горнолыжные курорты италии. Горнолыжные курорты италии фото. Лазерная коррекция зрения. Качественная коррекция зрения стоимость. Операция по коррекции зрения. Язык программирования python. Учим python быстро. Весь язык python с нуля. Лечение сетчатки глаза. Нервный тик глаза лечение. Болезни глаз лечение.



Aprender a coexistir

Prezados Irmãos, Assalamu Alaikum:

Há um milagre e um enigma na História Muçulmana que não podem ser logicamente explicados.

Alguns muçulmanos mostram-se desconfiados quando o assunto da coexistência vem à baila. Uns pensam que a mesma implica abdicar da Lei Islâmica, enquanto outros julgam-na um embuste enganador com um de dois objectivos: privar por completo o Islão dos seus princípios ou introduzir na crença e princípios islâmicos regras de outras fés e credos.

Outra razão que explica o cepticismo muçulmano relativamente ao tema da coexistência é o facto de a mesma ser considerada como algo que teve origem no Ocidente e que foi engendrado pelo mundo ocidental, sendo promovido por ele como uma forma de denegrir a cultura islâmica e os seus valores, com o intuito de fazer do mundo muçulmano uma cópia do ocidente.

Embora tenhamos de respeitar essas reservas e sentimentos, a verdade é que o conceito da coexistência é, na sua essência, algo que é defendido pelos ensinamentos islâmicos e que é atestado pelos textos sagrados.

Não devemos desconfiar do termo "coexistência" apenas porque algumas pessoas o usam com maus propósitos. Também não devemos preocupar-nos em demasia com questões de terminologia, pois o que nos interessa realmente é o significado da palavra. Devemos adoptar uma perspectiva razoável, aceitar o que é bom e rejeitar aquilo que é condenável.

Devemos adoptar o princípio que diz: "Os muçulmanos buscam a palavra verdadeira. Quando um muçulmano encontra essa palavra, tem maior legitimidade para a aceitar." [sunan al-Tirmidhi - al-Tirmidhi considera esta narração invulgar].

Ter uma visão pessimista em relação à coexistência, com base na crença de que pomos em risco os princípios essenciais da nossa religião por adoptarmos outros credos a par do nosso, ainda que estes pareçam contraditórios, é uma noção claramente errada.

Allah

diz-nos:"Credes numa parte da Escritura e rejeitais a outra?" (Surah al-Baqarah, 2:85). Além disso, a coexistência tem um outro significado muito positivo, sendo, essencialmente, um dos valores morais mais nobres que podem ser aplicados à comunicação, ao diálogo e ao facto de aceitarmos trabalhar com outros no sentido de alcançarmos a paz e a prosperidade mútua. Depois de reconhecermos a existência de diferenças entre nós, torna-se necessário respeitá-las e este saber está ligado ao pluralismo. Foi a noção de coexistência que o Islão concebeu. O Alcorão refere-se-lhe de diversas formas, sendo muitas delas mais claras e precisas do que o conceito moderno de "coexistência".

Por exemplo, quando Allah diz: "Ó humanidade! Nós vos criamos de macho e fêmea e vos dividimos em tribos e nações, para que se conheçam uns aos outros." (Surah Al Hujurat, 49:13).

Quando Allah diz "conhecer uns aos outros" não se está a referir apenas a conhecer um determinado nome ou tribo, está a referir-se a toda a humanidade, implicando a expressão, numa interpretação mais lata, a adopção da troca de saberes e aprendizagens e toda uma série de interacções positivas.

Este significado é reafirmado quando Allah diz: "Não permitais que o ódio das pessoas que em determinada ocasião vos expulsaram da Mesquita Sagrada vos leve à transgressão (e à hostilidade da vossa parte). Ajudai-vos uns aos outros na virtude e na piedade, mas não o façais em pecado e na hostilidade. E temei a Allah, pois Allah é severo no castigo". (Surah al-Ma 'idah, 5:2).

O Islão promove o conceito de nos ajudarmos uns aos outros e de cooperarmos naquilo que é benéfico, independentemente do facto de a outra parte concordar ou não connosco naquilo que é essencial. O que realmente interessa é a nossa cooperação para a concretização de algo legítimo, algo que esteja em concordância com os ditames da virtude e que não seja um pecado, injustiça ou transgressão. O conceito de nos conhecermos e ajudarmos uns aos outros é positivo para todos. Estes são valores que levam ao melhoramento da humanidade. Ao agimos em concordância com eles, os outros aproximam-se mais de nós e do Islão.

As pessoas são diferentes umas das outras e vivem em circunstâncias diversas; este é um dado adquirido. Allah destinou que assim fosse, tendo afirmado: "Se o teu Senhor quisesse teria feito da humanidade um povo único; porém, jamais deixarão de existir diferenças entre os homens, a não ser naqueles que Allah agraciou com a Sua Misericórdia..." (Surah Hud, 11:118-119).

Aceitar a existência de divergências e a multiplicidade de opiniões não implica a não diferenciação entre o correcto e o errado, entre o bem e o mal. Pelo contrário, a noção de divergência pressupõe a opo- sição entre o correcto e o errado. A coexistência não invalida que promovamos os nossos valores ou que nos tenhamos de abster de defender as nossas opi- niões. Podemos continuar a discutir com os outros, mas com toda a educação, mostrando o que está certo e proibindo o que está errado. Este é um valor que é considerado essencial na nossa fé.

A coexistência impele-nos a cooperar pacificamen- te com o outro para benefício e bem-estar mútuos e para que possamos viver como vizinhos, graças à força dos valores universais que partilhamos e que nos dão a oportunidade de dialogar e de trocarmos ideias.

O desejo do crente é aperfeiçoar as circunstâncias. O crente é alguém que se caracteriza por dizer o que está correcto e proibir aquilo que é errado, dando o seu melhor no sentido de promover a verdade e refutar a falsidade, de fomentar o conhecimento e dissipar a ignorância, agindo sempre da forma mais razoável para o conseguir. Um dos piores comportamentos que um indivíduo pode ter é assumir-se como o dono da verdade, seja qual for a designação que dê a si próprio, tendo o seu ponto de vista como absolutamente correcto ao ponto de se considerar no direito de julgar todas as outras pessoas. Esta atitude é, em si própria, um erro grave e algo que radicalmente se opõe aos ensinamentos islâmicos. Para o Islão todas as vidas são sagradas, sejam de muçulmanos ou de não-muçulmanos, desde que desejem viver em paz. Tem sido este o exemplo praticado ao longo da história.

A sociedade de Medina (ár. Madinah), a primeira cidade do mundo muçulmano e através da qual o Islão se difundiu por todo o mundo, ilustra bem a coexistência proposta pelo Islão. Com efeito, assim que o Islão se tornou forte e independente, Allah decidiu que Medina não deveria ser apenas uma cidade muçulmana, mas um local partilhado por pessoas de outras fés (judeus e pagãos) e também por hipócritas e por muçulmanos cuja fé era débil. Todos viveram lado a lado numa pequena cidade.

A coexistência é a forma que permite que todos os povos do mundo possam cooperar e trocar conhecimentos em prol da humanidade que partilhamos e de uma existência civilizada. Partilhamos as experiências que nos permitem ter uma vida melhor na Terra. Na verdade, essa é a forma que temos para que juntos possamos promover os valores que todos defendemos e o conhecimento universal. É, também, neste tipo de conjuntura que poderemos ter a oportunidade de chamar outros para ouvir a mensagem do Islão.

Não quer isto dizer que apenas um dos lados terá o direito de pregar a sua fé e ideias à outra parte. O que se pretende é criar a oportunidade para o surgimento de um diálogo construtivo (num contexto de coexistência a nível mundial) para a discussão de assuntos de importância religiosa bem como de interesse global.

Os Companheiros do Profeta Muhammad (que a paz e bençãos de Allah estejam com ele) perceberam perfeitamente que acreditavam numa religião que era substancialmente diferente de todas as outras religiões que existiam à sua volta. Essas diferenças acentua- ram-se ainda mais, cravadas por pormenores relativos às crenças, que ficaram registados nas escrituras de cada uma dessas religiões e que eram expressos nos seus diferentes ritos de devoção. Ainda assim, era reconhecida a existência entre essas religiões de um espaço para o diálogo, para além dos interesses mundanos que, por vezes, partilhavam entre si.

Com efeito, podemos constatar que Allah diz: "Dize-lhes: Ó adeptos do Livro! Vinde, para chegarmos a um acordo comum, entre nós e vós: comprometamo-nos, formalmente, a não adorar senão a Deus (ár. Allah), a não Lhe atribuir parceiros e a não nos tomarmos uns aos outros por senhores, em vez de Deus. Porém, caso se recusem, dize-lhes: testemunhai que somos submissos à Vontade de Deus". (Surah al Imram, 3:64).

Apesar de os Mensageiros de Allah terem sido os homens que possuíram a maior fé de todas as pessoas que já viveram neste mundo, eles viveram junto dos seus clãs que demonstraram uma descrença categórica. Noé (que a paz esteja com ele) viveu entre o seu povo 950 anos.

Allah

diz: "(Noé) disse: "Ó Senhor meu! Tenho predicado ao meu povo noite e dia; mas as minhas predicações apenas os afastaram ainda mais (da verdade). E cada vez que os convocava ao arrepen- dimento, para que Tu os perdoasses, tapavam os ouvidos com os dedos e se envolviam com as suas vestimentas, obstinando-se no erro e ensoberbecendo-se grotescamente. Então, convoquei-os em voz alta; depois os exortei palatina e privativamente, dizendo-lhes: Inplorai o perdão do vosso Senhor, pois Ele é Indulgente..." (Surah Nuh, 71:5-10). Pelo que acima foi citado, percebemos que Noé (que a paz esteja com ele) os tentou atrair ao Islão, (submissão à Vontade de Deus) de uma forma objectiva e razoável, apelando ao seu bom-senso: tudo isto faz parte da chamada coexistência.

A coexistência não implica que tenhamos de negar a nossa opinião pessoal e muito menos que tenhamos de pôr de parte as nossas crenças religiosas. As nossas opiniões pessoais fazem parte da nossa identidade e ninguém nos pode obrigar ou coagir a mudá-las. No final, as nossas opiniões continuarão a ser isso mesmo, opiniões pessoais. O que se pretende realmente é pôr fim ao fanatismo sufocante e à agitação irreflectida, pois do que, na verdade, precisamos é de uma comunicação franca, procurando atrair as pessoas, servindo-nos daquilo que temos de melhor. A coexistência requer, pois, o abandono da obstinação relativamente às nossas opiniões e abstermo-nos de forçar outros a aceitarem-nas; não nos impõe o abandono das nossas crenças ou a obrigação de considerar que todos os pontos de vista estão correctos, porque existe uma enorme diferença entre esses dois extremos.

E Allah é quem sabe melhor.





Created & Design by MaiLayout