: Ремонт ноутбуков hp pavilion. Ремонт ноутбуков hp своими руками. Ремонт клавиатуры ноутбука hp. Сервисный центр samsung ремонт планшетов. Быстрый ремонт планшетов samsung. Ремонт планшетов samsung galaxy tab. Штукатурка стен своими руками. Качественная венецианская штукатурка своими руками. Наружная штукатурка своими руками.
Смартфон samsung galaxy отзывы. Хороший обзор смартфонов samsung galaxy. Смартфон samsung galaxy ace 2. Горнолыжные курорты италии отзывы. Лучшие горнолыжные курорты италии. Горнолыжные курорты италии фото. Лазерная коррекция зрения. Качественная коррекция зрения стоимость. Операция по коррекции зрения. Язык программирования python. Учим python быстро. Весь язык python с нуля. Лечение сетчатки глаза. Нервный тик глаза лечение. Болезни глаз лечение.



ONU comemora os 800 anos de Rumi

Educación - 30/09/2007 | Inra, Unesco
Fonte: www2.inra.ir
Versão Portuguesa - In Revista Al Furqán, nº. 159, de Setembro/Outubro.2007

Teve lugar na sede da ONU, em Nova Iorque, um acto oficial para a comemoração dos 800 anos do nascimento do célebre poeta místico, Moulana Jalal Al Din Balji (Moulavi), cerimónia a que assistiu o Secretário-geral da dita organização, Bani Ki-moon.

Em discurso, Ki-moon afirmou que, mais do que nunca, o mundo de hoje necessita da propagação das ideias de Moulavi, sublinhando que a paz e o diálogo entre as civilizações são conceitos salientes na poesia deste poeta, e que a comunidade mundial deveria tê-los como exemplo para o seu comportamento.

Em seguida, eruditos do Irão, Afeganistão, Turquia, EUA e autoridades da ONU estudaram as dimensões culturais e místicas de Rumi, nome pelo qual é conhecido este bardo do século XIII.

Por ocasião deste oitavo centenário, os EUA emitiram um selo dos correios com a imagem de Moulavi, obra do professor Hosein Behzad, pintor e miniaturista Iraniano.

O doce sabor e o ambiente cálido originado por este acontecimento cultural foi um tanto ou quanto perturbado pelo facto do Governo Norte-Americano ter recusado o visto de entrada no país a uma delegação Iraniana, cuja intenção era a de participar na comemoração, gesto que não é praticado pela primeira vez.

MOULAVI (1207-1273)

Jalal al-Din Mohammad Rumi, também conhecido por Moulavi, ou simplesmente Rumi (Bizantino, em Árabe e Persa), é, juntamente com 'Attar, o maior poeta místico nascido na Pérsia. A sua posição enquanto Sufi é de tal forma elevada, que é igualmente chamado de Moulana (nosso senhor, em Árabe).

O seu nascimento teve lugar em Balj (actualmente no Afeganistão) no ano de 1207. O sobrenome Rumi deve-se ao facto de grande parte da sua vida ter sido passada na cidade de Konya (situada na actual Turquia), e de aí ter falecido, embora sempre se tenha considerado a si mesmo um Persa Jorasani.

O pai, Baha al-Din Valad, foi um grande mestre e orador, respeitado pelo povo e, inclusive, pelo Sultão Mohammad Jarezmshah. Baha al-Din e a família deixaram a Pérsia quando Rumi era ainda criança. Durante algum tempo, permaneceram em Samarcanda, tendo depois partido em direcção a Meca, em peregrinação.

Diz-se que, aquando desta viagem, ao passar por Neyshabur, Baha al-Din recebeu a visita de 'Attar, já ancião, o qual o presenteou com uma cópia do seu "Asrar Nameh" (Livro dos Segredos). Ao ver Moulavi, criança ainda, 'Attar disse o seguinte: 'Em breve, este menino inflamará os apaixonados deste Mundo'.

Ao regressarem de Meca, passaram pela Síria, acabando por estabelecer-se na Ásia Menor. Aí deu-se o casamento de Rumi com Gouhar Jatun e, quatro anos depois, partiram em direcção a Konya, pai, filho e toda a restante família, por desejo expresso do Sultão Seljúcida de Rum.

Quando o substituto do seu pai faleceu em 1240, Rumi substitui-o na confraria, onde se dedicou à instrução, ensino e orientação dos jovens fiéis, até que, cinco anos depois, Shams Tabrizi surgiu em Konya.

Após conhecer este grande e efusivo dervixe, cujo verdadeiro nome era Mohammad b. Ali b. Malekdad, a vida de Rumi mudou drasticamente.

Sabe-se que a sua morte deu-se em 1247 e, tal como o seu nome indica, era natural de Tabriz. A sua chegada a Konya deu-se em 1244 e, no ano seguinte, mudou-se para Damasco, o que foi causa de um desgosto enorme para Rumi, abatendo-se sobre ele uma enorme melancolia, devido ao desaparecimento do seu amigo. Ao saber que este se encontrava em Damasco, começou a escrever-lhe cartas e poemas, e a enviar-lhe mensagens.

Pouco tempo depois, Rumi enviou a Damasco o seu próprio filho, Sultán Valad, acompanhado de vários amigos, incumbindo-o de procurar Shams Tabrizi e convencê-lo a retomar a Konya. O convite foi aceite. No entanto, esta nova permanência em Konya pouco durou, pois viu-se confrontado com os preconceitos do povo da cidade, sendo obrigado a abandoná-la no ano seguinte, com destino incerto. Rumi fez tudo o que estava ao seu alcance para encontrá-lo, tendo, inclusive, viajado por duas vezes a Damasco. No entanto, a sua busca foi em vão.

A chama e a paixão pela amizade de Shams Tabrizi e a melancolia que sentia, inspiraram-no a escrever uma das mais maravilhosas e extensas obras místicas da literatura Persa, o "Divan-e-Shams-e-Tabrizi" (O Poemário de Shams Tabrizi), escrito em versos monorrimos (gazal).

Shams Tabrizi, a quem Rumi tinha como exemplo de homem perfeito, fê-lo descurar as suas ocupações na confraria Sufita, facto a que o próprio Rumi fez referência nos seus poemas.

Anos mais tarde, escreveu o Masnavi, o seu segundo livro e a obra-prima da sua vida. Rumi faleceu em 1273. Todos em Konya, grandes e pequenos, Muçulmanos, Cristãos e Judeus, assistiram ao seu funeral. O seu mausoléu encontra-se na dita cidade e, até hoje, a sua confraria, a Ordem dos Dervixes Dançantes, os quais dançam até entrarem em transe, mantêm-no em funcionamento.

Moulana é tido pelos literatos e poetas Persas, e pelos Orientais também, como um dos grandes poetas da Pérsia, ocupa um lugar especial e cada um elogia-o, tendo por base um ponto de vista diferente.

É conhecido entre Persas e não Persas como um dos mais importantes místicos da Humanidade, poeta de imenso talento, filósofo arguto e elogiado pelas suas qualidades pessoais. A sua posição no mundo da poesia é de tal maneira elevada, que alguns o consideram o maior poeta do Mundo, outros, o maior poeta da Pérsia e, outros, um dos 4 ou 5 poetas Persas mais importantes. O seu túmulo na Turquia é um importante centro de peregrinação, a que acorrem religiosos de todo o mundo Islâmico. O Masnavi (Dístico) é, como o seu título indica, uma obra escrita em versos emparelhados.

Trata-se da sua obra-prima, a qual é também apelidada de 'O Alcorão em língua Persa'. O que nela mais chama a atenção é a sua variedade temática e a quantidade de alegorias utilizadas por Rumi para exprimir o seu sentir místico. Por detrás da linguagem simples (por vezes, quase coloquial) do Masnavi, esconde-se uma multiplicidade de acepções, as quais dão motivo a várias interpretações, algo muito característico das obras Sufitas.

No Masnavi, deparamos com a 'história sagrada', versículos Alcorânicos, tradições ou ditos do Profeta (s.a.w.), tudo isso narrado de maneira tal, que destila misticismo. Podemos também encontrar histórias de natureza íntima, algo que surpreende imenso, especialmente os Ocidentais.

Algumas das suas histórias foram retiradas de "Calila y Dimna", e outras das obras do poeta Nezami de Ganjeh, 'Attar e, inclusive, de Avicena. A sua outra obra é o "Divan-e-Shams-e-Ta- brizi" (o Poemário de Shams Tabrizi), também conhecido pelo nome de 'Divan-e-Kabir" (Grande Poemário). Outras obras mais pequenas são 'Robayyat" (quadras) e "Fihi ma fihi", em prosa.





Created & Design by MaiLayout