: Ремонт ноутбуков hp pavilion. Ремонт ноутбуков hp своими руками. Ремонт клавиатуры ноутбука hp. Сервисный центр samsung ремонт планшетов. Быстрый ремонт планшетов samsung. Ремонт планшетов samsung galaxy tab. Штукатурка стен своими руками. Качественная венецианская штукатурка своими руками. Наружная штукатурка своими руками.
Смартфон samsung galaxy отзывы. Хороший обзор смартфонов samsung galaxy. Смартфон samsung galaxy ace 2. Горнолыжные курорты италии отзывы. Лучшие горнолыжные курорты италии. Горнолыжные курорты италии фото. Лазерная коррекция зрения. Качественная коррекция зрения стоимость. Операция по коррекции зрения. Язык программирования python. Учим python быстро. Весь язык python с нуля. Лечение сетчатки глаза. Нервный тик глаза лечение. Болезни глаз лечение.



Os sionistas judeus não se preocupam com leis, nem convenções

Por Yiossuf Adamgy

Sim, o responsável da ONU condenou os bombardadeamentos de Isreal que 'violam as leis humanitárias'.

Sim, o subsecretário geral para os assuntos das nações Unidas (ONU) Jan Egeland, condenou ontem (23/7/06) a devastação causada pelos ataques aéreos israelitas em Beirut. Egeland se declarou 'horrorizado' e afirmou que estas acções 'violam a lei humanitária', recordando que 'os bombardeamentos contra civil estão proibidos pelas convenções internacionais'.

Talvez Jan Egeland ignore é que esta é a solução final do Estado Sionista Judeu; que os sionistas judeus não se preocupam com as leis humanitárias, nem com as convenções internacioanais, daí que eles nunca cumpriram dezenas das Resoluções da ONU. Eles só acatam é a lei judaica do Antigo Testamento, que lhes diz textualmente:

"Seon saiu ao nosso encontro, com todo o seu povo, para nos dar combate em Jasa. Mas o SENHOR, nosso Deus, no-lo entregou, e nós o derrotamos, a ele, e a seus filhos, e a todo o seu povo. Tomamos-lhe, então, todas as suas cidades e dedicamos ao anátema todas as cidades em que havia seres humanos, homens, mulheres e c

rianças, sem deixar sobreviver ninguém" - Deuteronômio 2:32-34 .

Por isso, não terá sido em vão, e nem surpreendente, quando o actual primeiro-ministro Israelita ordenou ao seu exército, nestes termos: 'Não deixai dormir ninguém em Gaza'. ... e, por inércia ... destruam as infra-estruturas vitais para a população civil palestina ...

Aliás esse comportamento é próprio dos governos israelitas, senão recordemos:

"Devemos expulsar os árabes e ocupar o seu lugar." (David Ben Gurion, ex-primeiro ministro pelo Partido Trabalhador, 1937).

"Não existe uma coisa tal como povo palestino. ... eles não existem ..." (Golda Meir, ex-primeira ministra pelo Partido Trabalhador).

"Israel criará nos próximos 10 ou 20 anos condições que obrigarão a imigração natural e voluntária dos refugiados desde a faixa de Gaza e Cisjordânia a Jordania." (Isaac Rabin, ex-primeiro ministro por el partido Trabalhador).

Prefiro defender uma política positiva, para criar, na verdade, condições que, numa forma positiva, induzam esta gente a ir-se." (Ariel Sharon, 24 de Agosto de 1988).

"A partilha de Palestina é ilegal. Nunca será reconhecida ... Eretz Israel será restituido ao povo de Israel. Todo ele. E para sempre." (Menagem Begin, ex-primero ministro pelo Partido Likud).

"... creio, no eterno e histórico direito de nosso povo a toda esta terra." (Ehud Olmert, primeiro ministro israelita, no Congreso dos ESTADOS UNIDOS, em Junho de 2006).

É caso para descrer da humanidade quando gente que se queixa de um holocausto e uma diáspora invoca o holocausto e a diáspora que sofreu para impor a outro povo ... um holocausto e uma diáspora, ainda pior.

Foi o que sucedeu com os radicais judeus, os sionistas, que a coberto de Mandato Britânico sobre uma terra povoada, entraram em força na Palestina e desalojaram os seus habitantes ...

A fundamentação Bíblica de reunião dos judeus na Palestina, sempre invocada pelos sionistas, dá rezão à análise de H. G. Wells, que ao discorrer sobre os direitos históricos àquela terra apontou para a presença muito anterior dos cananeus, cujos descendentes - árabes, cristãos e judeus - viveram em paz durante séculos e são os palestinos dos nossos dias.

Grande parte dos "humanistas" ocidentais perdem todo o crédito quando procuram justificar, depois de 1945, a existência-comportamento de um Estado (Israelita) que encontra a sua razão de ser em motivos teológicos e rácicos. Com a agravante de todos terem medo de serem chamados de anti-semitas, caso tomem uma posição contrária à cartilha israelita.

Tão semitas são os judeus do Médio Oriente como os árabes, uma vez que é essa a sua raíz comum. Ser anti-semita é estar, ao mesmo tempo, contra árabes e judeus, na pressuposição nazi - curiosamente perfilhada pelos judeus sionistas - de que existem raças puras.

Quando a Assembleia Geral das Nações Unidas incluíu o Sionismo no rol das variantes do racismo, estava a fazer justiça a uma doutrina que, quando levada à prática, privou, e continua a privar, o Médio Oriente de paz e de segurança.

Termino este apontamento com as declarações, feitas em 1946, do consagrado Albert Einsten, que penso são dignas de reflexão:

"A ideia de Estado não está de acordo comigo. Não consigo perceber por que é necessário. Está relacionado com as mentalidades mesquinhas e obstáculos económicos. Penso que é mau. Sempre estive contra.
Apreciaria mais ver um acordo razoável com os árabes na base da convivência que a criação de um Estado judeu.
Para além das considerações práticas, a minha consciência da natureza essencial do Juadísmo resiste à ideia de um Estado judaico, com fronteiras, um Exército, e uma medida de poder temporal não importa de que modéstia. Tenho medo dos estragos intrínsecos que o Juadísmo possa sofrer" - In "Palestina na História" - Edição Portugal Prescope.





Created & Design by MaiLayout