: Ремонт ноутбуков hp pavilion. Ремонт ноутбуков hp своими руками. Ремонт клавиатуры ноутбука hp. Сервисный центр samsung ремонт планшетов. Быстрый ремонт планшетов samsung. Ремонт планшетов samsung galaxy tab. Штукатурка стен своими руками. Качественная венецианская штукатурка своими руками. Наружная штукатурка своими руками.
Смартфон samsung galaxy отзывы. Хороший обзор смартфонов samsung galaxy. Смартфон samsung galaxy ace 2. Горнолыжные курорты италии отзывы. Лучшие горнолыжные курорты италии. Горнолыжные курорты италии фото. Лазерная коррекция зрения. Качественная коррекция зрения стоимость. Операция по коррекции зрения. Язык программирования python. Учим python быстро. Весь язык python с нуля. Лечение сетчатки глаза. Нервный тик глаза лечение. Болезни глаз лечение.



O ultraje e a compreensão

Por Yiossuf Adamgy

Os comentários do Papa Bento XVI foram provocatórios, mas o melhor para os Muçulmanos será que ofereçam a outra face.

é irónico que, enquanto mais de 1000 representantes participavam num congresso em Montreal, denominado "As Religiões Mundiais após o 11 de Setembro", onde procederam à discussão de iniciativas focadas na construção de uma maior compreensão entre seguidores de todas as religiões, do outro lado do globo o Papa Bento XVI realizava um discurso que produzia precisamente o efeito oposto. Presentemente, e não obstante as suas desculpas, prosseguem a nível mundial as respostas inflamadas às suas observações.

Tal como a todos os Muçulmanos, também a nós angustia que uma vez mais a nossa fé tenha sido ridicularizada, nada mais, nada menos, do que pela figura que é o líder mundial de um bilião de Católicos.

No Domingo, o Papa em pessoa pediu desculpas pela ofensa causada, dizendo que o texto medieval por si citado em nada expressava a sua opinião. Mas o estrago estava feito. A oportunidade foi aproveitada pelos extremistas, os quais queimaram Igrejas nos territórios Palestinianos, atiraram a matar sobre uma freira de 60 anos na Somália e expressaram-se de forma violenta, o que fez recuar as relações Muçulmano-Cristãs.

Estamos mais desapontados do que zangados com o Papa Bento XVI. Afinal, o Papa não é apenas um simples padre. Ele é um ícone religioso, o que ele disse foi um golpe. Em que estava ele a pensar quando proferiu tais palavras?

Tal como o jornal "Guardian" referiu num editorial, Bento XVI não empreendeu esforço algum para dizer que esta não era a sua crença. "Não existe frase alguma que o distancie da reivindicação de que Muhammad (s.a.w.) era o responsável pelo mal. Pouca surpresa constituiu, pois, que as observações por si proferidas tenham sido motivo de ira e exijam um pedido de desculpas pessoal".

Vivemos em tempos em que a religião é usada como um instrumento para fortalecer o poder político. A retórica irresponsável por parte dos líderes religiosos pode rápidamente desatar linhas frágeis. Tal como nós, Muçulmanos progres-sistas, temos repetidamente, e com grande risco, confrontado clérigos e extremistas dentro da comunidade Muçulmana, esperamos agora que os nossos irmãos Católicos avancem e condenem as observações inoportunas, irracionais e desinformadas do Papa Bento XVI.

Estamos particularmente desapontados porque o antecessor do Papa Bento XVI, João Paulo II, falou mais das similitudes do que das diferenças. Enquanto discursava para a comunidade Católica de Ankara, Turquia, no dia 29 de Novembro de 1979, o João Paulo II disse o seguinte:

"Irmãos, quando penso nesta herança espiritual (Islão) e no valor que esta tem para o Homem e para a sociedade, na sua capacidade de oferta, especialmente na juventude, no preenchimento do hiato deixado pelo materialismo, e na sua concessão de uma fundação fiável à organização social e jurídica, pergunto-me se não é urgente, precisamente hoje, quando Cristãos e Muçulmanos iniciam um novo período de História, reconhecer e desenvolver os laços espirituais que nos unem, de modo a preservar e a promover para benefício de todos, "paz, liberdade, justiça social e valores morais"".

Nas suas infelizes e inoportunas observações feitas recentemente na Alemanha, o Papa Bento XVI pode ter cometido um erro de julgamento quando escolheu citar um imperador medieval.

Seguidamente, falou a respeito "desse diálogo genuíno de culturas e religiões tão urgente hoje em dia". Esse diálogo só terá sentido quando aprendermos, não apenas a respeitarmo-nos uns aos outros, mas também quando desejarmos erguer a nossa própria voz e controlarmos o nosso próprio sacerdócio, aprendendo a censurá-lo por observações ofensivas que sejam prejudiciais e façam regredir os esforços empreendidos para a paz mundial. Pode não ter sido intenção do Papa causar os danos que causou a nível mundial, motivo pelo qual se desculpou, mas a natureza das observações por si feitas e as perigosas consequências que daí advieram devem ser entendidas no contexto dos nossos tempos. Isto foi melhor explicado por Giles Fraser, o vigário de Putney e professor de Filosofia em Wadham College, Oxford, que escreveu o seguinte:

"... são Cristãos renascidos, que estiveram na frente de apoio da invasão do Iraque, das terras da Palestina por parte de Israel, e de toda a reorganização do Médio Oriente - uma catástrofe na qual vários milhares de Muçul- manos perderam a vida. Quaisquer comentá- rios por parte de um líder Cristão que toque nessa ferida está sujeito a ser interpretado a partir de todo e qualquer ângulo possível. O Papa deveria saber disto. Se os Muçulmanos ficaram ofendidos pelos rabiscos de um caricaturista Dinamarquês, é mais que óbvio o enor- me potencial de ofensa que poderia fluir de alguns comentários desajustados do vigário de Roma".

Ao dizer aquilo, a resposta obtida a partir da liderança conservadora Muçulmana, à Irmandade Muçulmana no Egipto e aos ayatollahs no Irão, consistiu no uso deste infeliz incidente para o armazenamento de mais raiva e ódio; de uma razão mais para marcharem pelas ruas, atacarem Igrejas e contra-insultarem o Papa.

Alguns líderes Muçulmanos deveriam ter resistido a esta tentação. Agora, não é o momento de pôr mais lenha na fogueira; agora, é o momento para extinguir estas chamas com compaixão e paciência. Temos que usar isto como uma oportunidade para seguirmos o exemplo do nosso Profeta Muahmmad, paz esteja com ele, que ignorava os insultos que lhe eram dirigidos.

As observações do Papa foram criticadas a nível Mundial e ele lamentou-as. Isto deveria ter sido o suficiente. Nesta situação de crise, afigura-se uma oportunidade para os Muçulmanos.

O "Guardian" expressá-lo melhor, ao escrever:

"Não pode existir diálogo sem rigor e abertura ...".

Agora, é altura de os Muçulmanos seguirem o Alcorão e perdoarem. Agora, é altura de os Muçulmanos oferecerem a outra face. Esta seria, de facto, a maior das jihads.





Created & Design by MaiLayout