: Ремонт ноутбуков hp pavilion. Ремонт ноутбуков hp своими руками. Ремонт клавиатуры ноутбука hp. Сервисный центр samsung ремонт планшетов. Быстрый ремонт планшетов samsung. Ремонт планшетов samsung galaxy tab. Штукатурка стен своими руками. Качественная венецианская штукатурка своими руками. Наружная штукатурка своими руками.
Смартфон samsung galaxy отзывы. Хороший обзор смартфонов samsung galaxy. Смартфон samsung galaxy ace 2. Горнолыжные курорты италии отзывы. Лучшие горнолыжные курорты италии. Горнолыжные курорты италии фото. Лазерная коррекция зрения. Качественная коррекция зрения стоимость. Операция по коррекции зрения. Язык программирования python. Учим python быстро. Весь язык python с нуля. Лечение сетчатки глаза. Нервный тик глаза лечение. Болезни глаз лечение.



O Nascimento da Modernidade Islâmica

(Opinião - 15/03/2011 - Autor: Pepe Escobar* - Tradução: Rebelión) - Versão Portuguesa: Al Furqán

A crença de que o Islão e o Ocidente são antípodas é coisa de tarados tipo apresentadores da Fox News

*Pepe Escobar é autor de 'Globalistan: How the Globalized World is Dissolving into Liquid War' (Nimble Books, 2007) e 'Red Zone Blues: a snapshot of Baghdade during the surge'.
O seu último livro é 'Obama does Globalistan' (Nimble Books, 2009).
Pode ser contactado em: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar..
Fonte: http://www.atimes.com/atimes/Middle_East/MC12Ak01.html

Quando me deslocava pelas estradas de Afeganistão e Paquistão antes e depois do 11 de Setembro, há dez anos, o volume que levava comigo na mochila era uma edição em francês da 'Jihad' de Gilles Kepel. Noite após noite, em muitas ocasiões em casas de adobe e perante intermináveis chávenas de chá verde, fui, pouco a pouco, empapando-me da tese principal: que o Islão político não estava precisamente no auge, mas, de facto, em decadência.

Por um lado, tínhamos organizações como al-Qaida, autodesignadas vanguardas dedicadas a acordar do seu sono as massas muçulmanas a fim de desencadear uma revolução global islâmica; na verdade, não eram senão versões muçulmanas das Brigadas Vermelhas italianas e da Fracção do Exército Vermelho alemão.

Do outro lado, tínhamos islamitas como, por exemplo, os do Partido turco do Desenvolvimento e da Justiça da Turquia, prontos para submergir-se na democracia parlamentária de estilo ocidental e que apostam pela soberania do povo, não de Allah.

No apogeu da 'guerra contra o terror' - com todos esses B52 a bombardear Tora Bora sem reparar em que Ussama bin Laden escapara já para o Paquistão -, no Ocidente tendia-se a agrupar a maioria dos muçulmanos, quando não todos, no catálogo de jihadistas insensatos.

Concordo com Kepel em que o 'choque das civilizações' não era mais que um conceito estúpido, grosseiramente investigado e instrumentalizado pelos neoconservadores para legitimar a sua 'cruzada'. Mas isso precisava que a história o corroborasse de alguma maneira.

Dez anos depois, pode-se finalmente dizer que a análise de Kepel dava no cravo. O islamismo de núcleo duro, estilo al-Qaida, é um fracasso de bilheteira no mundo muçulmano. Em tudo o que se refere à sua miríade de manifestações - no Iraque, no Magrebe, na península Arábica -, a al-Qaida não é senão uma seita desesperada, destinada à lixeira da história, igual a todos esses ditadores apoiados pelo Ocidente, como o derrotado presidente tunisino, Zine el-Abidine ben Ali, e o ex-presidente do Egipto, Hosni Mubárak, que costumavam ser os pilares da luta do Ocidente contra o Islão radical.

Kepel está hoje à frente do Programa de Estudos para o Mediterrâneo e o Oriente Próximo, da lendária Faculdade de Ciências Políticas, em Paris. Num artigo escrito para o diário italiano 'La Repubblica', sela definitivamente a vitória do Islão como democracia em frente do Islão como vanguarda 'revolucionária'. Salienta-mos a seguinte citação:

'Na actualidade, os povos árabes ultrapassaram esse dilema ou constrição entre Ben Ali e Bin Laden. Voltaram a entrar numa história universal que viu a queda dos ditadores na América Latina, dos regimes comunistas no Leste da Europa e também dos regimes militares em países muçulmanos não árabes, como a Indonésia ou a Turquia'.

O local à procura do universal

E este é o ponto decisivo: os povos árabes estão agora a começar a construir a sua própria, embora vacilante, modernidade. Kepel pergunta-se porque se produziu na Tunísia a primeira revolução e descobre que a consigna principal estava em francês: 'Ben Ali, degage' ('Ben Ali, vai embora'). A consigna foi fielmente adoptada - ipsis litteris - pelos egípcios, num país em que muito pouca gente fala francês. Adoptaram tal lema revolucionário porque o ouviram na Al-Jazira. Isto permite a Kepel concluir que estas revoluções actuais têm as raízes tanto na cultura local como nas aspirações universais.

E, se bem que os sintomas sejam os mesmos - desemprego, pobreza, corrupção, ausência total de liberdade -, são revoluções diversas que lutam para poder alcançar o poder com estratégias diferentes. Alguns deitam lenha na fogueira dos problemas tribais ou confessionais, outros apostam em si próprios ou em se imunizar da interferência ocidental.

O problema é que os hagiógrafos do império estão a interpretar mal a diversidade de métodos empregados pelos tiranos para esmagar estas revoluções, para assim poder legitimar melhor a aura dos repressivos 'rapazes bons' escolhidos

Assim, temos Robert D. Kaplan, vinculado ao Pentágono, a tentar fazer acreditar à opinião pública que se trata de déspotas ilustrados (a dinastia Al-Khalifa no Bahrein, os dois reis Abdulá, o da Arábia Saudita e o da Jordânia) defronte irredimíveis ditadores diabólicos (como Muamar al-Khadafi).

Como se a maioria xiita no Bahrein precisasse dos Al-Khalifa sunitas para promover a formação de uma classe média: condição prévia para o estabelecimento de uma democracia. Os Al-Khalifa não se importaram nunca nem um pouquinho com promover uma classe média, porque, dessa forma, do seu autocrático sistema 'aberto aos negócios' só se beneficiava uma pequena oligarquia sunita.

E o raciocínio para defender esses tiranos escolhidos é que alguns países não têm base institucional para uma transição para a democracia; portanto, metem no mesmo saco a Líbia tribal, dirigida pelo 'malvado' Khadafi, e os emirados do golfo Pérsico, dirigidos por 'aceitáveis' reis e emires.

A estender pontes

Por muito que a modernidade ocidental esteja em crise, isso não significa que o mundo esteja a sofrer o assédio de uma guerra religiosa moderna. A crença de que o Islão e o Ocidente são antípodas é coisa de tarados tipos apresentadores da Fox News. O mundo está a ser testemunha de uma nova cristianização da Europa, bem como de uma nova evangelização dos Estados Unidos. Isto demonstra que modernidade e religião são compatíveis, quer no Ocidente, quer no Oriente Próximo.

Podem proceder de diferentes latitudes culturais: o Ocidente, da decadência da modernidade, e o Oriente Próximo, da decadência do fundamentalismo religioso, para tratar de convergir no mesmo lugar: uma ponte de diálogo entre o Oriente e o Ocidente.

O que Kepel quer essencialmente mostrar é que a Europa e o mundo árabe não têm outra hipótese senão tentar construir uma civilização híbrida - não só em termos de movimentos de capital, bens e serviços, mas também mediante sólidos investimentos na cultura e na educação - do mar do Norte ao golfo Pérsico, com o Mediterrâneo como centro nevrálgico. Isto implica que a Fortaleza da Europa deverá voltar a examinar o seu lugar no mundo e que a Organização do Tratado do Atlântico Norte não tentará condicionar o diálogo mediterrânico.

É um caminho longo e perigoso, com uns quantos Khadafis, Al-Khalifas e Abdulás que há que deitar fora.

O mundo árabe está a sofrer muitos traumas durante demasiado tempo, quase um século desde que as potências coloniais do Reino Unido e da França atraiçoaram a Nação Árabe e repartiram a terra.

A prova autêntica da autoproclamada 'missão civilizadora' do Ocidente está precisamente aí, em dar as boas-vindas e em ajudar, com todo o coração, a que o Mundo Árabe alcance a esfera da modernidade.





Created & Design by MaiLayout