: Ремонт ноутбуков hp pavilion. Ремонт ноутбуков hp своими руками. Ремонт клавиатуры ноутбука hp. Сервисный центр samsung ремонт планшетов. Быстрый ремонт планшетов samsung. Ремонт планшетов samsung galaxy tab. Штукатурка стен своими руками. Качественная венецианская штукатурка своими руками. Наружная штукатурка своими руками.
Смартфон samsung galaxy отзывы. Хороший обзор смартфонов samsung galaxy. Смартфон samsung galaxy ace 2. Горнолыжные курорты италии отзывы. Лучшие горнолыжные курорты италии. Горнолыжные курорты италии фото. Лазерная коррекция зрения. Качественная коррекция зрения стоимость. Операция по коррекции зрения. Язык программирования python. Учим python быстро. Весь язык python с нуля. Лечение сетчатки глаза. Нервный тик глаза лечение. Болезни глаз лечение.



O mundo Muçulmnano e a democracia

Por: M. Yiossuf Adamgy

O Islão é uma religião de paz e coexistência, no que respeita a uma ampla oportunidade de liberdade de expressão. Os Muçulmanos podem nele expressar as suas opiniões mesmo que elas sejam diferentes umas das outras.

A tomada de decisão no Islão é conseguida através de um consenso em todos os assuntos importantes, a superioridade do Islão sobre as outras religiões reside no facto de dar a maior importância à opinião do povo.

O facto está claramente ilustrado no Alcorão e nos Ahadice. O verso Alcorânico "Cujos assuntos são uma matéria de discussão" (42:38) prova que o Islão é baseado na democracia.

O Islão introduziu a decisão colectiva na sociedade Islâmica, (ijma') ou consenso. O consenso tem sido a mais importante validação de várias decisões dentro do Islão há séculos.

O Profeta Muhammad (s.a.w) disse: "O meu povo não concordará com um erro". A obrigação da autoridade de ijma' (consenso) é baseada neste ditado (hadice). Este ditado prova que o mundo Muçulmano adoptaria este conceito de consenso.

O mecanismo do consenso também abre a possibilidade de deliberação pública e de debate, e assim, vários pontos de vista em desenvolvimento, tanto individual como colectivamente, têm oportunidade de serem ouvidos por pessoas que, eventualmente, chegarão a um consenso. Quando a decisão por maioria é alcançada, todos os membros da sociedade Muçulmana e não Muçulmana - devem tentar implementá-la. O iniciado aderente ou quem quer que seja que concorde com o ponto de vista da minoria deve aceitar a decisão da maioria e tentar implementá-la como um consenso.

O próprio Profeta Muhammad (s.a.w.) instituiu uma tradição ao não apontar o seu sucessor em vida e deixou isso para o povo decidir quanto ao seu líder. Os primeiros quatro Califas - Abu Bakr, Umar, Usman e Ali, (que Deus esteja satisfeito com eles) conhecidos como "Os Califas Iluminados" foram a escolha do povo.

O rei Umar-bin Abdul Aziz também se qualifica para ser colocado entre os Califas Iluminados, porque ele recusou publicidade ao aceitar o reinado com base na sua nomeação feita pelo seu pai. Ele aceitou o reinado apenas quando o povo o elegeu.

O Islão não está contra a "mudança" mas com certeza é contra a "coacção". Os Governos estabelecidos não devem ser substituídos recorrendo a métodos erróneos, mas sim indo ao povo e fazê-lo compreender os benefícios do sistema dominante.

No Islão, as pessoas deverão votar contra o sistema político se não estiverem satisfeitas com ele.

No que respeita à democracia no Mundo Muçulmano da actualidade, Amir Butler escreveu:

"No imediato pós 11 de Setembro de 2001, Carly Fiorina, chefe executivo da Hewlett-Packatd, ao dirigir uma conferência sobre informação tecnológica no Minesota, falou de uma civilização cuja língua se tornou a língua da maioria do mundo, e cujos exércitos multiculturais encorajaram à paz e prosperidade, cujo comércio se estendia das Américas à China e que comandadas pela invenção deu à humanidade a álgebra e os algorítmos".

"Essa civilização - disse ela à sua audiência - foi a civilização Islâmica até ao século XVII. Tratava-se de uma civilização que estava muito longe de ser corrupta; os regimes despóticos que governam as sociedades Islâmicas de hoje são uma civilização de sociedades que mergulhou numa estagnação intelectual e de subdesenvolvimento".

Depois de liderar o mundo durante mil anos, na arte e nas ciências, o mundo Muçulmano dá por si a definhar no fundo das tabelas mundiais de literacia. Apesar do Profeta Muhammad (s.a.w.) ter deixado o povo escolher o seu sucessor, aqueles que, actualmente, governam sobre os Muçulmanos, ou são presidentes vitalícios ou monarcas.

O sistema de governo consultivo usado pelo Profeta Muhammad (s.a.w.) e seus sucessores foi hoje, infelizmente, substituído por sistemas de autoritarismo quase fascista que caracteriza a maioria dos países do mundo Muçulmano de hoje.





Created & Design by MaiLayout