Posted on

Abençoado Mês de Ramadão

A maior recompensa, o grau mais elevado neste nosso mundo inferior, é a fé à qual devemos a ajuda e o favor da bondade de Deus (ár. Allah). A nós, foi-nos dada a honra de termos sido feitos Seus servos e a Sua Comunidade bem-amada, e de termos recebido um lugar no Alcorão.

Temos agora mais uma bênção: Uma vez a cada ano, chega o mês do Ramadão, no qual “o começo é a misericórdia, o meio é o perdão, e o final é a salvação do Fogo“.

Sempre que o Ramadão chegar, na nossa vida, devemos apreciá-lo! Ele passa muito rapidamente. A própria vida passa num ápice, assim como acontece com o tempo da oração. Não devemos dizer: “O Ramadão voltará outra vez”, porque um Ramadão que tenha passado não voltará novamente. O próximo Ramadão, se voltar, será um Ramadão diferente. É possível que o Ramadão continue a chegar até à Ressurreição, mas este Ramadão pode ser, para alguns de nós, o último.

Não se deve dizer: “eu perdi esta oração, mas outra virá”. Quem sabe se esta oração não é a tua última.

Não se deve dizer: “Quando me aposentar e começar a ganhar a minha pensão, então me dedicarei à adoração!” Quem sabe se não farás a tua última viagem antes de chegar a receber a tua pensão… Vestir-te-ão uma mortalha, de modo a preparar-te para a acção ime-diata. Lamenta-te, copiosamente, pelos teus pecados. Mantém a vigilância pelo teu Senhor, recitando o Alcorão. Rindo, homenageia a Sua presença. Reflecte na tua própria natureza transitória, recordando que Ele é eterno… Reflecte nas tuas próprias debilidades, recordando-te que Ele é o Todo-Poderoso…

Que coisa bela encontrar o Senhor! Como poderei fazer chegar-te o Seu sabor? Pode falar-se aos cegos sobre a cor, aos surdos sobre a música, aos impotentes sobre o deleite da relação sexual, mas é possível realmente fazer com que eles compreendam essas experiências? Se o cego não pode ver, como pode ele descobrir a cor através das palavras? Como se pode mostrar a um olho que não vê as flores multicolores, as árvores, o sol, o céu, a dança dos peixes nos riachos? Ao que não tem o sentido do olfacto, como lhe poderemos descrever o cheiro da rosa, a fragrância do jacinto, ou o perfume do junquilho? Como poderemos contar ao surdo acerca do chilrear dos pássaros, do murmúrio do fluir das águas, ou das cadências do Nobre Alcorão e as da chamada à Oração?

Se passares algum tempo a sós com o Senhor, um dia levantar-se-á o véu dos teus olhos e verás as cores. Adquirirás o sentido do olfacto e detectarás a fragrância das rosas, dos jacintos, dos junquilhos e dos narcisos. A tua surdez irá desaparecer e ouvirás a constante lembrança de Deus. Os ouvidos do teu coração abrir-se-ão e deleitar-te-ás com a recitação do Alcorão. Sob os cantos dos rouxinóis e do murmúrio das águas, ouvirás o som da afirmação da Unidade Divina. São estas as dádivas que serás capaz de obter neste mundo e que um dia terminarão. Quanto às dádivas que obterás no Além, “in cha Allah”, não têm fim, são eternas…

Quando o Ramadão chega, não consegues ouvir aquela Voz chamando todas as noites: “Ninguém Nos quer, ninguém Nos ama? Nós os amaríamos tam-bém!“. Este apelo faz-se em todos os entardeceres e em todas as noites. Esta é outra dádiva divina característica do nobre mês do Ramadão.

Observa a conversa de que desfrutou o Profeta Moisés (a.s.). Moisés, “o Kalimullah”, aquele que falava com Allah, quando costumava ir ao Monte Sinai (tu tens o teu próprio “Monte Sinai” no momento de romper o jejum, quando podes suster mil e uma conversas). Quando Moisés dizia: “Ó meu Senhor, Tu falas comigo, Tu diriges-Te a mim. Não me mostrarás a beleza do Teu semblante? Deixa-me ver a Tua beleza!” Recebeu a resposta do Senhor: Lan taraani: “Não poderás ver-Me”. [Alcorão, 7:143].

“Moisés! Como poderás ver a Minha beleza, quando há setenta mil cortinas entre nós? Serias incapaz de Me ver. Mas na altura da Ressurreição dar-te-ei um mês, como um presente à Comunidade do meu bem-amado Muhammad. Esse mês chamar-se-á Ramadan. E a Comunidade de Muhammad deverá jejuar durante todo esse mês, e Eu Me manifestarei de forma tal na altura de romper o jejum, que não haverá absolutamente nenhum véu entre mim e a Comunidade de Muhammad, enquanto agora, entre Mim e tu, há setenta mil véus”.

Numa Tradição Sagrada, o Altíssimo disse: “O jejum é para Mim, e Eu sou quem o recompensa“.

A recompensa do jejum é a visão da Beleza Divina. O emblema do Ramadão é o perdão. O jejum deverá fazer-se com sinceridade e com afecto ardente. O nosso abençoado Mestre Muhammad (s.a.w.) disse: “Se a minha Comunidade soubesse que êxito e salvação residem no Ramadão, rogariam a Allah que lhes deixasse viver para sempre nesse mês!“.

Queira Allah possa conceder a Sua Misericórdia sobre os nossos corações e facilitar-nos o jejum. Ámen.

Posted on

Mais um Ramadão nas nossas vidas

Prezados Irmãos: Assalamu Alaikum.

Mais um Ramadão (ár. Ramadan) entrando nas nossas vidas, inch’Allah; Ramadan, o mês das bênçãos, da misericórdia e de perdão. “O mês que – como afirmou o nosso amado Profeta Muhammad (que a paz e bênção de Deus estejam com ele) – é para Deus o melhor dos meses; os seus dias, os melhores dias; as suas noites, as melhores noites; e as suas horas, as melhores horas”.

Mais uma vez, como “horas de ouro nas asas de um anjo”, os seus momentos descem sobre nós.

A Al Furqán, órgão para a divulgação do Islão em Portugal, deseja a todos os muçulmanos, que este mês seja especialmente dedicado à recordação de Allah S.T., Senhor de todos os Mundos.

E roga a Deus que purifique os nossos corações, que nos ajude a controlar as nossas línguas, a desviar os nossos olhos daquilo que não nos está permitido ver, a desviar os nossos ouvidos daquilo que não nos está permitido ouvir, a mostrar compaixão em relação aos pobres, oprimidos e necessitados.

E que Allah perdoe as nossas faltas por acção ou omissão, concedendo-nos a Sua Orientação para percorrer a senda recta. Ámen.

Wassalam.

Posted on

Ramadão (jejum)

O Ramadão (ár. Ramadan) é o mês do incitamento espiritual no mundo Muçulmano. é o nono mês do Calendário Islâmico. é o mês do jejum e da recitação do Sagrado Alcorão, que foi revelado durante este mês o mês de Tahajud e Qiyam Al-Lail, de orações de Tarawih, de Sadaqah, de Zakat Al-Mal. Também é o mês de actividades sociais entre os Muçulmanos. Durante este mês o estilo de vida completo dos Muçulmanos sofre uma mudança dramática, com as noites de aspecto festivo. O padrão completo de vida privada e pública é transformado.

O fervor espiritual do Ramadão excede todas as outras actividades ao longo do ano. Ninguém consegue explicar a alegria a não ser que se procure as bençãos deste mês, dia e noite. Por esta e outras razões, é recomendado o seguinte para aqueles que desejem beneficiar deste mês. Os preparativos a respeito disto devem começar pelo menos desde o mês de Rajab, isto é, com dois meses de avanço. ALLAH revelou no Surah Al-Tawbah (Arrependimento) a respeito dos quatro meses sagrados:

“Para DEUS o número dos meses é de doze, como reza o Livro Divino, desde o dia em que Ele criou os céus e a terra. Quatro desses são sagrados”, (Alcorão, 9:36)

Num Hadice que foi relatado por Abu Bakr (que DEUS esteja satisfeito com ele) e registado no Sahih Bukhari, o Profeta (p.e.c.e. = paz esteja com ele) disse: Sim! O tempo voltou a ser como era quando ALLAH criou os céus e a terra; o ano é composto por doze meses, quatro dos quais sagrados; três dos quais consecutivos: Zu-al Qi’dah, Zu-al Hijjah e Muharram; e depois o mês de Rajab que está entre Jamad-al Akhir e Xa’ban.

Por isso, é recomendado que os Muçulmanos aumentem o seu jejum naqueles meses para que se aproximem de ALLAH. Além disso, devem preparar-se para o mês de Ramadão antes da sua chegada. O nosso amado Profeta (pece) costumava jejuar mais dias no mês de Xa’ban. Foi narrado por Aicha (r.a.) e registado nos Livros de Muçlim e Bukhari o seguinte:

Não vi o Mensageiro de ALLAH completar o jejum em nenhum mês senão no de Ramadão; e não o vi jejuar tantos dias senão no mês de Xa’ban.

Também foi relatado por Abu Daud e Nissai que, uma vez, Hazrat Usama Ibn Zaidand (r.a.) perguntou ao Profeta (s.a.w.) o seguinte:

Ó Mensageiro de ALLAH, eu nunca o vi jejuar em nenhum mês tanto quanto o vi jejuar no mês de Xa’ban; o Profeta disse: Ó Usama, muitas pessoas não estão conscientes do significado deste mês de Xa’ban, que está entre Rajab e Ramadan. Neste mês as acções das pessoas são elevadas para o Senhor dos Mundos. Por isso eu gosto que as minhas acções sejam elevadas enquanto estou em estado de jejum.

Ramadan é o mês do jejum. Como diz o Alcorão:

“Ó crentes! Foi-vos prescrito o jejum da mesma forma como foi ordenado aos vossos antepassados, para que possais temer a DEUS” (2:183).

É também o mês da revelação do Sagrado Alcorão como guia de toda a humanidade:

“Ramadão é o mês em que foi enviada a revelação do Alcorão como Guia para a Humanidade, com provas claras de Orientação e de Critério (entre o bem e o mal). Por conseguinte, quem de vós estiver presente durante este mês, deverá passá-lo em jejum; e, quem estiver doente, ou em viagem, (jejuará, depois,) o mesmo número de dias. ALLAH deseja para vós facilidade e não dificuldades; para que completeis o período do jejum, e glorifiqueis a ALLAH, por vos ter encaminhado; e talvez assim (Lhe) ficareis gratos”, (2:185)

É o mês em que o Anjo Gabriel (Jibril a.s.) desce para nos abençoar e nos dar boas novas. Jejuar por todo o mês subitamente pode ser um pouco difícil a não ser que nos preparemos para isso, doutro modo, nos primeiros dias nós teremos dores de cabeça, tonturas, fome, sede e outros problemas. Os diferentes órgãos do nosso corpo trabalharão em conjunto para ajustar o corpo à nova situação fisiológica, e ao mesmo tempo, estão a tentar limpar o corpo de todas as substâncias tóxicas interiores. Consequentemente, é melhor prepararmo-nos parcialmente antes do advento do Ramadan.

Prepararmo-nos antes da proximidade do Ramadan é muito melhor do que aguardar até que ele chegue. Prepararmo-nos para seja o que for na vida é um sinal de sabedoria e maturidade. Treinarmo-nos gradualmente é uma excelente ideia em vez do treino de última da hora.

Posted on

O Ramadão convida os Muçulmanos

M. Yiossuf Adamgy Director da Al Furqán, in seu livro ‘O Que Significa o Ramadão?’ Assalamu Alaikum: Mais uma vez, o Sagrado mês do Ramadão, o nono mês do Calendário Islâmico, estará, inch’Allah, connosco, ou seja com todos aqueles que, na Terra, professam a Fé Islâmica. Tal como todos os anos, desde a Hégira, o Ramadão convida os Muçulmanos a uma intensa e sustentável vida de jejum e oração, de culto e obediência, de devoção e disciplina – tudo centrado no Alcorão que, também, foi enviado exactamente no mês do Ramadão, sob a custódia do anjo Gabriel (ár. Gibrail a.s.). Assim que a Lua Nova do Ramadão é vista, alegre e obedientemente os Muçulmanos do mundo correspondem. Cada dia é passado em jejum: do alvorecer ao pôr do sol, num mês inteiro, nem um pedacinho de comida, nem uma gota de água, nada, na verdade, passa pela garganta; nem o sexo é satisfeito. E em cada noite, as horas são devotadas à Oração perante Allah. O período diário do jejum começa antes do crespúsculo matutino ocorrer, e finda logo depois do pôr do sol. O jejum do Ramadão é obrigatorio, e dura 29 ou 30 dias, conforme os meses do sistema lunar. O jejum é um dos cinco mandamentos do Islâo, pecando quem deixar de o fazer, sem justa causa. Que Allah. S. T. nos dê, a todos, saude e orientação para podermos passar convenientemente o abençoado mês do Ramadão. Wassalam A. W. W.

Posted on

O significado das letras da palavra “Ramadan”

Por Yiossuf Adamgy

Prezados Irmãos, Assalamu Alaikum:

A palavra “Ramadan” (segundo a escrita Árabe) é formada por cinco letras. A saber: râ’, mîm, dâd, alif e nûn. A letra inicial, râ’, significa “ridwânu’llâh” (o comprazer de Allah). A letra mîm significa muhâ- bâtu’llâh (a disposição considerada e favorável de Allah). A letra dâd significa damânu’llâh (a garantia de Allah, no que respeita à Sua certe- za de recompensa espiritual). A letra alif significa ulfatu’llâh (o afecto amigo de Allah e a Sua proximidade). Por último, a letra nûn significa nûru’llah (a radiante luz de Allah).

Isto significa que o mês do Ramadão é o mês do comportamento res- peitoso, do outorgamento seguro, de compartilhar o íntimo afecto, do derramamento de luz, da concessão de benefícios e do generoso respeito para com os santos awliyâ’) e os justos (abrâr).

Houve alguém que uma vez disse o seguinte: “Comparativamente aos outros meses, a categoria do mês do Ramadão é como a do coração dentro do peito, é como a dos Profetas (Anbiyâ’) entre a espécie humana, é como a do Sagrado Território de Meca (al-Haram) entre as cidades do Mundo”.

Para melhor clarificarmos estes pontos de comparação, podemos seguir uma ordem inversa: ao amaldiçoado Falso Messias (ad-Dajjâl) será interdito o acesso ao Sagrado Território de Meca (al-Haram), assim como os desafiadores e rebeldes agentes de Satanás (maradat ash-Shaitân) serão amarrados e acorrentados no mês do Ramadão. No dia da Ressurreição, os Profetas (Anbiyâ’) serão aqueles que intercederão (shafa’â’) a favor dos que são culpados de ofensas pecaminosas, assim como o mês do Ramadão será um intercessor (shafî’) dos que mantive- ram o jejum. O coração é embelezado e adornado pela experiência espiritual (ma’rifa) e pela fé (imân), assim como o mês do Ramadão é embelezado e adornado pela luz da recitação do Alcorão.

Se uma pessoa não recebe o perdão no mês do Ramadão, em que outro mês poderá esperar ver os seus pecados serem perdoados? Assim sendo, o servo do Senhor deve voltar-se para Allah (Todo-Pode- roso e Glorificado seja) em arrependimento, antes que as portas do arrependimento (tawba) sejam fechadas. Ele deve voltar-se para Ele (Todo-Poderoso e Glorificado seja) em arrependimento (tawba), antes do tempo para tornar a obedecer (inâba) tenha terminado. Permiti-lhe que chore, antes que o tempo para o pranto e para a compaixão (rahma) seja finito…

Como o Profeta (s.a.w.) uma vez disse:

“Os membros da minha Comunidade (Um- matî) não serão envergonhados, pois eles observam as noites de vigília durante o mês do Ramadão”.

Ao ouvir isto, um homem perguntou: “Ó Profeta de Allah, o que sucederá àquele que for exposto à vergonha?”, ao que Muhammad (s.a.w.) respondeu:

“Se alguém é culpado, durante o Mês do Ramadão, de violar a ordem sagrada (mahram), de praticar uma má acção, de beber licores inebriantes, ou de cometer adultério ou fornicar, o seu jejum durante o Ramadão não será aceite. Allah e os Seus Anjos e todos aqueles que habitam nos Céus castigá-lo-ão, e o efeito desse castigo poderá permanecer durante todo o resto do ano que se segue. Se acontecer morrer nesse intervalo de tempo, antes do Ramadão seguinte, morre como se nem uma única boa acção tives- se sido acreditada aos olhos de Allah”.

Quem sabe da História Islâmica, poderá, claramente dizer o seguinte:

“O líder da espécie humana (sayyid al-bashar) é Adão (a.s.)”.

“O líder dos Árabes (sayyid al-‘Arab) é Mu- hammad (s.a.w.)”.

“O líder dos Persas (sayyid al-Furs) é Salmân al-Fârîsî (r.a.)”.

“O líder dos Gregos (sayyid ar-Rûm) é Suhaib ar-Rûmî (r.a.)”.

“O líder dos Abissínios (sayyid al-Habash) é Bilâl (r.a.)”.

“A mais importante das Cidades (sayyid al-qurâ) é Meca (Makkah)”.

“O mais importante dos Vales (sayyid al-awdiya) é o Vale do Templo de Jerusalém (wâdî Bait al-Maqdis)”.

“O mais importante dos Dias da semana (say- yid al-ayyâm) é a Sexta-feira, o dia da Congregação (Yawm al-Jum’a)”.

“A mais importante das Noites (sayyid al-layâlî) é a Noite do Poder (Laylat al-Qadr)”.

“O mais importante dos Livros das Escrituras (sayyid al-Kutub) é o Alcorão”.

“O mais importante dos Capítulos do Alcorão (sayyid al-Qur’ân) é o Capítulo intitulado “A Vaca” (Sûrat al-Baqara)”.

“O principal Versículo do capítulo intitula- do”A Vaca” (sayyid Sûrat al-Baqara) é o Versículo do Trono (Ayat al-Kursî)”.

“A mais importante das Pedras (sayyid al-ahjâr) é a Pedra Negra (al-Hajar al-Aswad)”.

“A mais importante das Fontes (sayyid al-ab’âr) é a de Zamzam”.

“A mais importante das varas (sayyid al-‘usî) é a vara de Moisés (‘Asâ Mûsâ a.s.)”.

“O mais importante dos Peixes (sayyid al-hîtân) é a baleia (hût), que uma vez transportou a Jonas (Yûnus a. s.) no interior do seu estô- mago”.

“A mais importante das Camelas (sayyid an-nûq) é a camela (nâqa) de Sâlih a.s.”

“O mais importante dos Cavalos (sayyid al-afrâs) é al-Burâq”.

“O mais importante dos Anéis (sayyid al-khawâtim) é o Selo de Salomão (khâtam Sulaimân a. s.)”.

“O mais importante dos Meses (sayyid ash-shuhûr) é o Mês do Ramadão”.